Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2013

25 A de agonia

Os 39 anos da revolução dos cravos vão ser comemorados com o peso de uma nuvem cinzenta que continua a pairar sobre o nosso país e as nossas cabeças.
Constrangidos por uma crise financeira e económica grave, pelas exigências de austeridade a que estamos sujeitos, pelo desacreditar de soluções políticas provenientes de todo o espetro partidário e sobretudo pela chaga do desemprego que afeta cada vez mais famíliasportuguesas, chegamos àque é considerada a data mais importante da democracia portuguesa.
A face negra desse desalento que tanto preocupa cada um de nós está bem patente no dia-a-dia dos portugueses. Estamos com as expectativas baixas e não se vislumbram alternativas que não passem por um longo período de reajustamento da economia, todo ele bastante doloroso.
Porém, como algumas pessoas têm vindo a frisar e a fazer notar, há um lado preocupante nesta crise que pode minar ainda mais o ânimo dos portugueses. Esse lado é a crise de valores e de crédito no Estado de Direito democrátic…

As encrencas que eles arranjam

O meu receio

Estou quase na fase do tanto me faz. Faço de conta que continuo a acreditar que o governo sabe o que está a fazer, porque isso me dá algum ânimo para olhar em redor e ver tanto corte, tanta coisa parada, tanta reclamação, tanta inépcia, tanto desemprego, tanta gente sem rumo, nem dinheiro e nalguns casos com grande dificuldade para colocar um prato de comida em cima da mesa. As notícias são invariavelmente más. Mas para mim a pior é mesmo a forma como a crise tem vindo a degradar o “edifício” democrático. Sim, a crise não é apenas financeira, é também política e moral. É social, naturalmente. Não tem como não ser. Afinal é das pessoas que se trata. As mentiras, os enredos, as previsões falhadas, as licenciaturas aldrabadas, os buracos financeiros, os contratos leoninos onde nós todos somos o elo mais fraco, ajudam a inquinar a salubridade do oxigénio que a democracia precisa para viver. Já acredito em tudo sem acreditar em quase nada. Ainda hoje vi o resultado de uma sondagem feita no pa…