sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Intervenção de final de mandato



Sr. Presidente
Sras. e Srs. Vereadores

Esta é a última reunião de um órgão municipal em que participo depois de quase 20 anos em funções autárquicas. Praticamente metade da minha vida foi partilhada com o desemprenho de cargos públicos na Câmara Municipal de Tavira, o que me leva nesta circunstâncias a deixar aqui uma palavra de satisfação e de dever cumprido.

Ao longo destes anos fui eleito e nomeado para cargos que me proporcionaram conhecer, intervir, votar e decidir sobre as mais diversas matérias de relevo para o nosso concelho.

Fiz desta minha participação um ato de cidadania de quem não fica apenas no lado de fora a comentar e a criticar, mas vem para a vida autárquica dar o melhor de si. Por isso é com orgulho que me refiro a estes quase 20 anos onde muita coisa aconteceu na nossa terra e manifesto a satisfação de hoje termos um concelho melhor do que aquele que tínhamos há duas décadas atrás.

Convivi de perto com a realidade de muitos tavirenses, nomeadamente daqueles que por razões diversas se cruzaram comigo nas funções de membro da Assembleia Municipal, Adjunto do Presidente ou Vereador com e sem pelouros. Acho que conheço bem Tavira e os tavirenses. Reconheço a cada esquina e em cada lugar deste município, pessoas, histórias, momentos ou simples circunstâncias que guardo e guardarei na memória.

Não deixo estas funções ressentido com coisa alguma. Não tenho a presunção de pensar que tudo o que fiz foi bem feito. Porém, se não fiz melhor foi porque não sabia ou não estava ao meu alcance. Vivi cada momento com a intensidade de quem vê na vida autárquica uma forma de servir a comunidade e os cidadãos e não de se servir a si próprio. Cometi erros como todos cometem e acertei em decisões como todos acertam. 

Ser autarca é muito diferente de outras funções políticas. Eu diria mesmo que é das mais exigentes uma vez que é de grande proximidade com as pessoas e os seus problemas. E pese embora todo o anátema que existe sobre os autarcas do nosso país onde o todo é confundido com a parte, a verdade é que está no Poder Local a genuinidade do serviço à causa pública e a exigência permanente da prestação de contas. Um autarca de um município como o de Tavira não tem como se esconder dos problemas da sua terra porque eles cruzam-se consigo a todo o momento. É impossível ser-se autarca apenas de gabinete. É na rua e na vivência diária dos problemas que está concentrada a ação política de um autarca. Porém é mais fácil publicitar o demérito daqueles que usam estes cargos para se promoverem ou enriquecerem ilicitamente do que ressalvar o mérito daqueles que se entregam às causas de toda uma sociedade em prejuízo da sua vida particular ou até mesmo familiar.

Ser autarca é estar disponível a cada instante. É dar a cara. É responder com prontidão e bom senso às solicitações dos munícipes. É saber dizer não ou sim em função daquilo que é o melhor para a causa pública. É respeitar e atender aqueles que esperam de nós soluções aos seus problemas. É ser capaz de estar presente e não fazer apenas figura de corpo presente. É estar na rua sem ter medo de enfrentar as pessoas e passar em todo o lado e não apenas onde lhe convém ou ficar fechado no conforto dos gabinetes. É ser pontual, assíduo, abnegado e transparente nos seus atos e na sua vida pública. É ser sério, competente e rigoroso. É não trazer para dentro das autarquias as conveniências partidárias, mas sim olhar para todos da mesma forma. É em suma, ser merecedor da confiança e do reconhecimento dos munícipes.

Quero também deixar neste momento palavras de profunda gratidão aos funcionários municipais que direta ou indiretamente comigo colaboraram. Esta casa é uma grande casa. Tem uma esmagadora maioria de bons funcionários públicos que todos os dias dão o melhor de si em benefício da comunidade. Aqui fiz bons amigos para a vida e hoje cruzo-me com todos eles de cabeça erguida e sem qualquer reserva. A todos os que cá ficam deixo uma palavra de solidariedade numa época tão difícil para eles, transformados que foram num problema quando na verdade fazem parte da solução.

Por fim uma última palavra a todos os colegas autarcas com quem convivi e trabalhei nestes quase 20 anos. Não levo mágoas de ninguém. Não tenho por princípio nem como estilo de vida guardar sentimentos de ódio ou de rancor pelas pessoas. Sei que existem momentos na vida que nos separam e outros que nos unem. Independente da cor partidária, da maneira de pensar ou de agir, acredito na boa vontade das mulheres e dos homens que são eleitos para desempenhar funções autárquicas e dão o melhor de si pela causa pública. Aos que ficam e também aos que vão chegar, deixo uma palavra de estímulo e de boa sorte. Que sejam merecedores da confiança depositada pelo eleitorado e saibam honrar os compromissos e a palavra dada. Que sejam pelo menos tão felizes como eu fui ao longo destes quase 20 anos de vida autárquica e que desempenhem os cargos para que foram eleitos com alegria, disponibilidade e responsabilidade.

Os portugueses estão cansados de promessas por cumprir e de inverdades ditas em períodos quentes de campanha eleitoral. É preciso virar a página e fazer diferente. Quem honra um compromisso, ganha o respeito dos eleitores. E é esse o segredo do sucesso daqueles que fazem a diferença para melhor e ficam para a História como bons exemplos.

Por vontade própria e de consciência tranquila me despeço, até que a minha disponibilidade e a vontade das pessoas se volte a reunir e me permita regressar. Não sou capaz de dizer nunca, sobretudo quando está em causa Tavira.

Sempre disponível para a minha terra que tanto amo e com um imenso orgulho de ser tavirense.

Viva Tavira.

Fernando Viegas
Tavira, 20 de Setembro de 2013

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.