sexta-feira, 4 de maio de 2012

Esta esquerda é doce mas não pinga


Há muito tempo que não sou cliente do Pingo Doce. Já fui. E não sou por uma qualquer razão especial, mas apenas porque posso escolher onde quero fazer as minhas compras, que é uma vantagem que o mercado livre e concorrencial me permite. Se fosse num país sem esta liberdade, eu teria de ser cliente do único supermercado disponível. Mas em Portugal há muito tempo que não é assim. As pessoas vão onde querem e onde a sua carteira permite. E a carteira de muitos portugueses hoje em dia não pode deixar de ser tentada para um supermercado que lhe faz uma promoção por metade do preço, ainda que a partir de um determinado valor.
Quem tem o hábito de fazer compras sabe que não é difícil encher um carro com mais de 100€ de produtos. É certo que provavelmente virão dentro dele coisas supérfluas, daquelas que só se compram porque “encalharam” connosco ou porque o preço sendo pela metade, abre-se uma janela de justificação. Noutras circunstâncias isso não aconteceria.
Quero com isto referir que me parece de total legitimidade que uma cadeia de supermercados faça, dentro da lei, a promoção que entenda, no dia que lhe pareça ser o mais adequado. Só lá vai quem quer. Ninguém tem outro motivo que não seja o da livre vontade. À minha casa não foi um funcionário do Pingo Doce apontar-me uma arma à cabeça e obrigar-me a fazer compras no dia 1 de Maio. Aliás, eu nem sabia da promoção. E se soubesse também não ia. Não porque seja despicienda a compra de produtos a metade do preço, mas porque simplesmente não me fazia falta ir abastecer naquele dia e sobretudo porque para mim não são 50€ que me levam a enfrentar uma confusão caótica dentro de quatro paredes de um supermercado, num dia feriado. Mas esta é a minha opção. Se tivesse necessidade e vontade, não duvido que iria sem que isso pudesse representar algum demérito social.
O que acho ter feito confusão, foi o facto de ainda termos em Portugal muita gente que não gosta de liberdade, porque é disso que se trata. A esquerda, os mesmos de sempre, arreliou-se não com os compradores mas com os vendedores. Isto foi o que mostraram. Na verdade a zanga é com todos mas só com uns conseguem embirrar publicamente. O PCP, o Bloco e algumas franjas parolas do PS, ficaram indignados com os donos do Pingo Doce, porque não apreciam gestos dos capitalistas que possam agradar ao povo. Essa é a praia deles. Os capitalistas, na sua opinião, servem para massacrar e para ganhar dinheiro à conta dos mais fracos. Não os conseguem aceitar como profissionais que sabem bem o que andam a fazer e cujas contas de aritmética são pensadas e feitas previamente, sabendo-se à partida o que vale a pena e o que não vale.
Num país moderno, com livre concorrência e consumidores esclarecidos, não são os dogmas bafientos da esquerda que fazem disciplinar as vontades. São as pessoas que decidem onde compram e quanto estão dispostas a pagar.
Para além disso foi um tiro no porta-aviões da esquerda que temos em Portugal, saber que milhares de pessoas estão-se marimbando para as manifestações de rua que acontecem todos os anos de igual forma e onde se dizem sempre as mesma coisas, preferindo ir abastecer a despensa, por metade do preço.
Mesmo pesando todos os problemas que surgiram e os momentos mais anedóticos vividos, a verdade é que o Pingo Doce fez uma jogada de marketing genial, só possível num país livre e democrático como o nosso onde cada um dos cidadãos decide uma coisa tão elementar como é a de fazer compras onde quer no dia que lhe dá mais jeito.
Não se pode uma semana antes comemorar o 25 de Abril e depois ser-se contra um gesto de liberdade. Não lhes agrada, não vão. Têm sempre as manifestações com que se entreter.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.